ITAITUBA

“Vi a morte de perto”, disse o taxista vítima assalto e esfaqueamento em Itaituba
“Zé Carlos”, como é conhecido, falou sobre como tudo aconteceu.



Na noite de sábado (4), o funcionário público, e também taxista, José Carlos Braga Maciel foi espancado, esfaqueado e teve seu táxi roubado por dois homens e uma mulher. Na tarde desta segunda feira (6), José Carlos recebeu em sua residência, localizada no Residencial Vale do Piracanã, profissionais da imprensa itaitubense e falou sobre o que aconteceu naquela noite.

Em seu relato, José disse que atua como taxista há 18 anos em Itaituba e nunca tinha passado por situações como esta. O taxista afirmou ainda que estava na Orla da cidade quando apareceram dois rapazes e uma moça, muito bem vestidos, pedindo corrida para o Residencial Wirland Freire, os mesmos perguntaram o preço que seria cobrado e o motorista respondeu "R$ 30,00", mas os supostos clientes questionaram se poderia baixar o valor para R$ 25,00 e o taxista aceitou. Assim, a jovem teria sentado no branco da frente e os homens sentaram no bando traseiro, e, durante a viagem, foram conversando até a entrada do Aeroporto Municipal.

Táxi roubado.

Veja trechos do relato da vítima:

"Eles pediram eu fosse pela por uma estrada por trás do aeroporto, disse que não, pois por ali tinha muita lama, e fui pelo asfalto, pela 1ª Rua do km 05, antes de chegar no primeiro quebra mola, eles anunciaram o assalto, foi uma pressão horrível pra minha vida, eles colocaram duas facas na minha garganta, a priori eu pensava que era brincadeira, ai depois que eu racionei e vi que o negocia era diferente, eu imaginei o pior, eles mandaram eu dobrar e pagar a transamazônica sentido EETEPA, pensei que iriam me largar por lá, e pegar meu celular e o carro, a única coisa que tinha, não tinha dinheiro, mas não" disse José.

"Passamos da ponte do km 07, passamos da fazenda do Valmir, passamos da fazenda onde pedi socorro, andamos cerca de 1 Km e meio pra frente, lá me jogaram, me esfaquearam, me bateram, me jogaram lá sangrando, muito sangue cara, esse corte aqui da minha perna tava sangrando muito, amarrei minha camisa na perna para estancar o sangue, tipo um torniquete, e vim andando pela rodovia, quando eu cheguei na fazenda que pedi socorro, eu já não tinha mais força não, minha boca estava seca, o sangue que perdi foi muito ó, mas passou duas carretas por mim e eu pedi socorro, mas não pararam, mas acho que avisaram a polícia aqui na cidade, quando eu cheguei na casa do rapaz, ele me atendeu com medo, mas me atendeu, aí ligaram para o SAMU que foi me buscar", continuou.

Arma branca utilizada no roubo.

José ainda destacou: "Eu vi a morte ó, me bateram muito, estou com olho roxo, fiquei muito assustado, a gente pensa primeiro em Deus, depois vem a família, fui para Hospital Municipal, fui medicado, e estou me recuperando, (...), foi DEUS que me salvou, um deles queria me matar, mas outro disse que era apenas para furar minha perna, ainda bem que não atingiu a veia, mas sangrou bastante, eles falaram um negócio de FDN, nem sei o que é isso”.

Lesões provocadas na vítima.

Conforme informado, o veículo foi encontrado abandonado, ainda com as duas facas na parte interior. “Zé Carlos” está em casa se recuperando, pois o mesmo foi atingido por vários socos e duas perfurações na perna esquerda, na altura da coxa.

Lesão provocada na vítima.

Até o fechamento desta reportagem os dois elementos e a mulher ainda não tinham sido identificados, mas a polícia está investigando o caso.

Fonte: Júnior Ribeiro




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM