DESTAQUES

Internada no HMS, criança itaitubense corre risco de perder parte dos órgãos, diz família
A criança de apenas 4 anos está há 10 dias no Hospital Municipal de Santarém aguardando vaga no regional para realizar uma cirurgia.



A família de Ruth Roque Souza, uma criança de 4 anos, que está internada no Hospital Municipal de Santarém (HMS) desde o dia 6 de janeiro, procurou o Giro para relatar a situação preocupante do quadro de saúde da menina, que é considerado grave, necessitando de cirurgia com urgência. A menina foi encaminhada do Hospital Municipal de Itaituba (HMI) através do Tratamento Fora de Domicílio (TFD).

Beth, avó de Ruth, afirmou em entrevista que a criança está sendo medicada para aliviar as dores, porém "ela grita de dor", causando mais preocupação ainda, em relação ao seu estado de saúde, logo que a mesma pode perder parte dos órgãos.

Além disso, desde que foi internada no HMS, a criança aguarda transferência para o Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), onde poderá ser realizado o procedimento cirúrgico, considerado de risco, mas até o momento não teria surgido vaga.

Na tentativa de conseguir a vaga que a neta tanto precisa, a avó destacou que conversou com alguns representantes políticos, como o secretário de saúde de Itaituba, um vereador e com o prefeito do município, Valmir Climaco, mas não obteve resposta positiva. Por isso, Ruth pede apoio da população e das autoridades itaitubenses para que possa conseguir a cirurgia de Ruth e assim recuperar sua saúde.

Diagnóstico

Segundo a avó a criança nasceu prematura, após 7 meses de gestação, com má formação e as vísceras para fora do corpo. Ao nascer a menina passou por procedimento cirúrgico, mas aos 4 anos de idade surgiram complicações no seu quadro de saúde.

"Ela está com tudo colado, tudo obstruído e está a cada dia mais complicando, por isso estamos pedindo ajuda", disse Beth.

A família da criança reside no Km 3 da Rodovia Transamazônica, próximo ao lago do Irajá. Para falar com a avó de Ruth basta clicar AQUI e conversar pelo Whatsapp.

Fonte: Portal Giro




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM