ECONOMIA

Reunião discute retomada das atividades do ramo do entretenimento em Itaituba
Segundo Edson Lima, as restrições imposta pelo governo municipal têm impossibilitado o trabalho de quem vive da noite.




Reunião nesta segunda-feira em Itaituba. (Foto: Alécio Freitas/Portal Giro)

No último dia 12 de junho o Prefeito de Itaituba, Valmir Climaco, assinou o decreto nº 082/2020 autorizando a reabertura de academias de ginásticas, balneários, restaurantes, lanchonetes, igrejas, bem como bares e clubes. Segundo o documento, que tem validade indeterminada, bares e clubes podem funcionar somente até às 20h, com uma limitação em 30% à capacidade total de atendimento.

Contudo, apesar de autorizar a reabertura de bares e clubes, o prefeito manteve a proibição de realização de festas, eventos ou confraternizações, além de eventos com música ao vivo, caixa de som, som automotivo ou similar, em bares, restaurantes, vias e logradouros públicos, independente da quantidade de pessoas presentes. Esses vetos impostos têm impossibilitado o trabalho de quem vive da noite, como sugere o promotor de eventos e dono de uma casa de shows em Itaituba, Edson Lima.

Durante reunião realizada na manhã desta segunda-feira (29), que contou com a presença de empresários e pessoas ligadas ao ramo do entretenimento, foram discutidos assuntos relacionados à retomada das atividades no município. Com isso, eles pretendem se reunir com o prefeito Valmir Climaco para discutir o tema.

De acordo com Edson, as restrições em relação a música tem afetado o movimento nos bares que levam a sério as medidas adotadas pelo governo municipal. Isso porque, as pessoas têm buscado por festas clandestinas e lugares distantes da cidade para poder ter um momento de entretenimento, além disso, há pessoas que não respeitam as determinações do decreto e “formam aglomerações com carro de som, sem que haja qualquer tipo de fiscalização”, relata o promotor de eventos nas redes sociais.
 

“A liberação que foi dada, para ficar aberto até as 20:00, não ajuda! com a condição imposta de não poder música no local ajuda menos ainda. Seu som fica desligado, mas os carro de som dos "playboy" tá nas alturas sem qualquer fiscalização.” diz Edson.

O empresário relata que tanto a classe artística quanto a de promotores de eventos, bem como os demais profissionais que trabalham na noite, precisam de um posicionamento das autoridades competentes. Os trabalhadores pedem para serem ouvidos e, junto com autoridades, buscarem uma solução para amenizar os impactados causados pela paralisação de suas atividades.
 

“Colocamo-nos à disposição para seguir todas as normas de segurança e ainda criar outras mais apropriadas para o nosso segmento, tudo com o um único propósito, voltar a trabalhar e retomar nossas vidas” afirma.

Há mais de 3 meses esses profissionais estão sem trabalhar e várias pessoas que vivem exclusivamente da noite estão passando necessidade, informou Edson Lima.

Uma publicação sobre assunto, feita no Facebook de Edson, já conta com mais de 200 compartilhamentos e dezenas de comentários em apoio a atitude do promotor de eventos.
 

Fonte: Portal Giro




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM