POLÍTICA

MP Eleitoral pede cassação de Helder Barbalho por abuso de meios de comunicação e uso de fake news
Também foi pedida cassação do vice-governador e inelegibilidade para sócios da RBA, entre os quais está o senador Jader Barbalho.




Helder Barbalho. (Foto: Reprodução)

O MP (Ministério Público) Eleitoral no Pará enviou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) um pedido de cassação do governador do estado, Helder Barbalho (MDB), e do vice-governador, Lúcio Vale (PL). A suspeita é de abuso de poder econômico e utilização indevida dos meios de comunicação social na campanha eleitoral de 2018, inclusive com a disseminação de fake news.

Pelas mesmas suspeitas, o MP Eleitoral também pediu a decretação de inelegibilidade, por oito anos. Isso se aplicaria ao governador, ao vice e aos sócios, proprietários e dirigentes da Rede Brasil Amazônia de Comunicação, entre os quais está o senador Jader Barbalho (MDB-PA), pai de Helder.

O MP aponta que a Rede Brasil Amazônia de Comunicação dava privilégios para Helder e só divulgava notícias negativas sobre o candidato adversário, Márcio Miranda (DEM). Há ainda uma suspeita de divulgação de propaganda em dia de votação, o que é crime eleitoral. A Rádio Clube teria dado oportunidade para o então candidato Helder Barbalho e a esposa se pronunciarem, sem dar a mesma chance ao candidato Márcio Miranda.

A divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos no dia da eleição é crime punível com detenção, de seis meses a um ano, com a alternativa de prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período, e multa.

Sobre fake news, o MP alega que houve uso ilegal do sistema de Justiça Eleitoral. Nas vésperas das eleições, a coligação de Helder Barbalho entregou ao MP Eleitoral informações para a instauração de procedimento investigatório do que denominou de "bunker" eleitoral da coligação de Márcio Miranda, que seria um local clandestino utilizado para a prática de diversas ilegalidades, como transações de caixa dois de campanha, corrupção e lavagem de dinheiro.

A coligação de Helder Barbalho acionou o MP Eleitoral, a PF e o TRE. Os veículos da rede RBA disseminaram a notícia falsa sobre o suposto "bunker". A PF investigou o local e não encontrou nenhuma evidência da ocorrência de atos ilícitos. E o TRE considerou improcedente a ação, condenando a coligação de Helder Barbalho a multa pelo "caráter malicioso da demanda investigatória".

*Com informações MPF
 


Fale conosco ou participe do nosso grupo do WhatsApp




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA  |   11/02/2021 15h56





POLÍTICA  |   09/02/2021 15h11


POLÍTICA  |   09/02/2021 10h10